7 de agosto de 2014

Para os integrantes da Vila-Escola Projeto de Gente o ano de 2014 trouxe profundas novidades. Porém, antes de conversar um pouco sobre estas novidades, é importante lembrar que elas não surgiram repentinamente. De fato, fazem parte de um processo que vem se desenrolando há sete anos.
De todo modo, neste início de ano, nos sentimos frente a um portal que, como disseram alguns educadores, já foi ultrapassado... e o trabalho segue. Como vivemos em uma vila de pescadores podemos nos apropriar de uma bela metáfora: a Vila-Escola é uma pequena e singela esquadra de barcos com formas diversas que sentem prazer e alegria em navegar juntos, partilhando conhecimentos, habilidades e sonhos. Hoje, estes barcos navegam por renovados mares, impulsionados por renovados ventos.
2013 marcou a saída da solidão que vivíamos neste grotão do Brasil. A partir da ida ao Colóquio das Invenções Democráticas, da participação dos Encontros de Escolas Democráticas realizados em São Paulo – pudemos estar em dois deles –, culminando com o convite para apresentar o nosso trabalho na I CONANE (Conferência Nacional para Alternativas na Educação), em novembro, passamos a nos sentir mais integrados a uma bela rede de pessoas – outros barcos – que conversam sobre educação, sobre a caminhada das crianças na vida, sobre as circunstâncias do campo onde esta caminhada se dá.
2014 iniciou com a realização, em Cumuruxatiba, de um Encontro de Escolas Democráticas durante o carnaval. Para nós este foi um símbolo importante de nossa abertura, um símbolo que sinalizava que, agora, não estamos mais sós. Ainda temos muito a aperfeiçoar para melhor aproveitar estes contatos, mas já respiramos outros ares – os ventos renovados.
Também neste primeiro semestre fomos convidados a nos apresentar na Faculdade de Psicologia da PUC-RJ, uma pesquisadora da Universidade do Rio Grande do Sul iniciou uma pesquisa que envolve nossas crianças com crianças do extremo sul do país.
Na mesma rota, reorganizamos a apresentação de contas, estamos planejando com mais eficiência nosso dia a dia, embora sem perder o nosso jeito de nos manter abertos para o fluxo inesperado da vida que se manifesta livremente e em comunhão com cada parceiro de rede.
Seguimos com os Projetos de Saber de música, natação e culinária. E um novo caminho abriu-se.
Convidamos, agora, vocês a conhecer como surgiu este caminho. Muitas vezes sentimos, adultos e crianças, que as leis que regem o cotidiano da Vila-Escola são profundamente diferentes, opostas na maioria, às leis da sociedade em que estamos inseridos. Aqui, na Vila-Escola, buscamos colaboração; lá, a competição prevalece. Aqui, buscamos consenso; lá, a democracia virou jogo onde um ganha, outros perdem – e estes, reativos, tentam derrubar o que ganhou. Aqui, falamos e tentamos viver em concórdia; lá, vinga a discórdia. Aqui, buscamos a paz; lá a guerra está nas manchetes. Aqui, crianças e adultos são ouvidos e considerados como seres únicos e legítimos; lá, as crianças são submetidas a uma poderosa padronização. A lista segue... Se perguntamos para dez pessoas se elas concordam com os rumos da sociedade, dez não concordam, dez dizem que a sociedade não é como gostariam.
Cada dia com mais clareza percebemos, que, antes da aquisição dos conhecimentos advindos da curiosidade humana, precisamos conhecer quem somos, manifestar quem somos e combinar com o outro que também é e se manifesta como é.
Pois bem, a partir da criação de um clubinho, iniciativa das meninas, uma ideia surgiu: construir, de fato, em nosso espaço, um pequeno rincão que funciona, não como não queremos, mas sim como queremos. Portanto, a ideia é, justo, colocar em prática o que pensamos e sentimos.
A V-E está com a lúdica e séria possibilidade de (re)fundar um país.
Neste pequeno rincão algumas combinações já foram feitas: não há gente rica ou pobre – cada um recebeu 500 dourados (o peixe deu nome ao dinheiro que, quem sabe, um dia deixará de existir); não tem polícia, pois ninguém quer oprimir o outro; não há uma pessoa que ocupe o topo da pirâmide do governo – aliás, não há topo nem pirâmide, há rede, há combinação “entre esses”; iniciou-se um projeto de desenhos arquitetônicos sobre o espaço deste rincão –cada um desenhou seu sonho: uns colocaram praça, outros ônibus, outros lanchonete, outros teatro, um construiu um avião, outros já construíram um estádio de esporte que já tem nome – Maracangalha –, um esporte foi criado – o pingpé –, um recanto de informática já toma forma. Nenhuma criança citou escola – um educador, então, propôs que a escola do nosso rincão fosse a Vila-Escola.
Entretanto, tudo é ainda muito incipiente e corre risco de não vingar. Vamos trabalhar! E, aqui, você poderá acompanhar os rumos dessa aventura.

Agora curtam fotos e acontecimentos do semestre:   
A nova biblioteca da Vila
Foto: Primeiro dia de vila escola de 2014
 E com vocês: Sávio e Joãozinho....
Foto

E na Roda....
Foto
e na reforma das mesas, todos viraram marceneiros...
Foto

e para mandar cartões para os amigos colaboradores de Londres...Oficina de papel reciclável !!!!!

Obrigada Meninas!!!!

o Kaleb adorou também...



E o estádio do Maracangalha

E os cada vez mais deliciosos....LANCHEEEES!!!
Foto

Oficinas de Culinária com a Rodinê...
Foto

Nenhum comentário: